Layers of Fear

Layers of Fear e seu terror psicológico único – Sexta-Feira do Terror

Na edição desta semana da Sexta-feira do Terror, vamos descobrir um pouco do mundo de Layers of Fear e como ele consegue fugir do “terror comum”. Lançado em 2016, o jogo de terror em primeira pessoa conquistou quem jogou com efeitos visuais que fogem do normal quando se trata do gênero. Saindo da mesmice de fantasmas ou zumbis, LoF apresenta a mente de um artista louco e confrontado por seus verdadeiros “demônios”,

+LEIA TAMBÉM: INDICAÇÃO DE LIVRO: MISERY, DE STEPHEN KING – SEXTA-FEIRA DO TERROR

A história incomum de Layers of Fear

Layers of Fear te põe dentro da cabeça psicótica e esquizofrênica do personagem principal, um artista que se vê dentro de uma mansão bizarra com o único objetivo de terminar sua última obra-prima.

Arte de Layers of Fear
Nem sempre uma “obra-prima” é necessariamente bonita.

Diferente de outros jogos de terror populares, o inimigo desta vez não existe, consistindo apenas de ilusões que podem deixar qualquer um com medo de avançar para a próxima sala. Estas alucinações vão de quartos sendo deformados até gritos e choros que saem de uma pintura renascentista a “derreter”, tudo com muita tensão envolvida e uma trilha sonora memorável.

A cabeça psicótica do protagonista

Como já disse, esse é o ponto onde se encontra o verdadeiro terror de Layers of Fear. Com muita tensão, o jogo consegue te deixar preso dentro daquele mundo e cria uma boa conexão com o personagem que controlamos.

Layers of Fear
Não pense que a mente do nosso personagem é incapaz de criar vultos e outras aparições. Fonte: Reprodução/Gustavo Gama

Por meio de lembranças que vão sendo desbloqueadas com o passar da história e cartas que você vai encontrando ao longo da jogatina, tudo vai se clarificando sobre o porquê da cabeça do personagem estar tão transtornada.

Os desafios apresentados

Engano seu ter achado que o único desafio do jogo seria fugir de vultos e achar as peças. Os reais desafios se apresentam nos puzzles durante toda a gameplay, que vão de pequenos quebra-cabeças envolvendo quadros até coisas mais complexas como cenários que se transformam de acordo com a iluminação.

Um ponto que pode dividir opiniões dos jogadores é a sua curta duração, que costuma não passar das 4 horas de campanha. Mesmo assim, é um jogo de assinatura do Estúdio Bloober, atualmente responsável por Observer e The Medium, o último pegando fortíssimas inspirações dos clássicos Silent Hill.

+LEIA TAMBÉM: ANÁLISE – OBSERVER: SYSTEM REDUX É UMA LENTA E DOLOROSA EXPERIÊNCIA