Six Days in Fallujah (Seis Dias em Faluja) era um jogo originalmente desenvolvido pela Atomic Games junto da Konami; porém, o projeto foi cancelado em 2009 devido às polêmicas e preocupações da mídia com sensacionalismo relacionado aos eventos que ocorreram no Iraque.

O jogo retrataria eventos relacionados à Segunda Batalha de Faluja, onde operações da coalisão dos Estados Unidos, do Iraque e do Reino Unido foram executadas para combater as forças da Insurgência Iraquiana e do grupo extremista da Al-Qaeda.

O conflito terminou com cerca de mil civis mortos por bombardeios e invasões a domicílio, e o jogo trouxe à tona a discussão da retratação das guerras em veículos de entretenimento como a indústria dos jogos e os filmes de Hollywood.

“Estima-se que cerca de 1.000 civis morreram no bombardeio e nas invasões a domicílio realizadas por tropas. Tantas pessoas foram mortas em Faluja que o estádio de futebol da cidade teve que ser transformado em um cemitério para lidar com todos os corpos”, disse a porta-voz do Stop The War Coalition, Tansy E. Hoskins, ao TechRadar.

Six Days in Fallujah

Em sua defesa, a Konami fazia promessas de tentar trazer uma “experiência de documentário” imparcial com o cenário da guerra em questão.

“Depois de ver a reação ao jogo nos Estados Unidos e ouvir opiniões por telefone e e-mail, decidimos há alguns dias que não o venderíamos”, disse um porta-voz da Konami na época. “Tínhamos a intenção de transmitir a realidade das batalhas aos jogadores, para que pudessem sentir como era estar lá.”

Um retorno inesperado

Hoje, sob nova direção, o projeto será rebootado pela Victura junto da Highwire Games, um estúdio fundado por Jaimie Griesemer (Halo), Jared Noftle e Marty O’Donnell (Halo, Destiny).

Segundo o trailer, mais de 100 militares e civis iraquianos foram convidados a compartilhar suas histórias para colaborar com a produção, que pretende se distanciar do jogo original para trazer uma nova perspectiva reflexiva ao seu conteúdo.

“Às vezes, a única maneira de entender o que é verdade é experimentar a realidade por si mesmo”, diz o ex-sargento da Marinha Eddie Garcia, que lutou e foi ferido durante o conflito, e foi quem deu a sugestão do jogo.

“A guerra é cheia de incertezas e escolhas difíceis que não podem ser entendidas assistindo alguém na TV ou na tela do cinema fazendo elas por você. Os videogames podem nos ajudar a entender os eventos do mundo real de uma forma que outras mídias não podem.”

Six Days in Fallujah - Foto do jogo original

Screenshot do projeto original de Six Days in Fallujah. Fonte: Gamespot

Peter Tamte, antigo CEO da Atomic Games e fundador da Victura, antecipando questionamentos e críticas sobre a “necessidade” de fazer um jogo desse estilo, afirmou:

“É difícil entender como é o combate de pessoas falsas fazendo coisas falsas em lugares falsos. Esta geração mostrou sacrifício e coragem no Iraque tão notáveis como qualquer outra na história. Agora, eles estão oferecendo ao resto de nós uma nova maneira de entender um dos eventos mais importantes do nosso século.

É hora de desafiar os estereótipos desatualizados sobre o que os videogames podem ser.”

Por fim, mais detalhes do projeto estão previstos para serem revelados nas próximas semanas, segundo o estúdio.

Six Days in Fallujah está previsto para sair em 2021 no PC e em plataformas da nova geração.


%d blogueiros gostam disto: