Uma das mais antigas séries de vídeo game que constantemente recebe novos títulos é Assassin’s Creed, um jogo que começou lá em 2007 e teve mais de 15 adaptações diferente em diversos meios: jogos, quadrinhos, livros, filme e uma série produzida pela Netflix que deve estrear nos próximos anos.

Depois de alguns lançamentos um tanto quanto desastrosos em 2014 e 2015, a Ubisoft mudou a sua estratégia e ao invés de lançar todo os anos um ou mais títulos da série no mesmo ano decidiriam que levariam mais tempo para o desenvolvimento de cada jogo. E foi assim que em 2016 saiu o é Assassin’s Creed: Origins, ambientando no Egíto Antigo, logo depois seu sucessor foi o Odyssey, que se passava algum tempo depois na Grécia Antiga, que mesmo seguindo a formula nova de RPG do Origins desagradou um pouco a imprensa e os fãs da série por ser mais do mesmo, não trouxe muitas mudanças, por fim, em 2020 a Ubisoft lançou Assassin’s Creed Valhalla, ambientado na Inglaterra no século IX., onde vivemos na pele de um guerreiro viking.

Em Valhalla houve algumas mudanças que a tempos era pedidos pelos fãs, um fator maior de diversidade nas missões, combates mais divertidos e uma maior quantidade de elementos stealth. É claro que essas mudanças ajudaram em certos pontos a jogabilidade do novo jogo dos assassinos, mas a franquia ainda é assolada com um dos seus principais problemas desde o primeiro jogo, os bugs.

Bugs em jogos da Ubisoft são tão frequentes e “engraçados” que tomaram a internet e se transformar em memes. A empresa por outro lado, tenta de tudo para corrigir os jogos no lançamento trazendo atualizações que melhoram o desempenho e arrumam bugs. Em Valhalla temos uma grande presença de bugs durante o gameplay, alguns até bem prejudiciais que fazem com que o jogador tenha que reiniciar o jogo ou até pior, perder todo o seu save e ter que começar sua jornada do início. Sabemos que em um futuro próximos os bugs mais sérios serão arrumados, mas chega a ser cômico uma empresa demorar tanto tempo para desenvolver um novo título e já em seu lançamento contar com centenas de bugs.

A jogabilidade foi levemente melhorada e polida em comparação aos últimos jogos da franquia, contamos com novas armas e novas habilidades que facilitam na hora de executar um inimigo ou enfrentar vários. O jogo está muito mais sangrento e as batalhas, mais realistas possíveis, com inclusive membros dos inimigos voando no meio do campo de batalha. Em Valhalla enfrentamos em diversos momentos dezenas de inimigos de uma vez só no campo de batalha e o Eivor consegue lidar muito bem, ele(a) é ágil, rápido e ao mesmo tempo forte, mas é claro, como se trata de um RPG, o jogador pode customizar o personagem com as habilidades que lhe caírem melhor.

Os gráficos são talvez um dos maiores atrativos do jogo, são lindos, polidos e extremamente bem feito e otimizados. As vistas da Noruega no inverno e até dos reinos ingleses são de tirar o folego, passei quase 2 horas da minha jogatina observando e tirando foto de diversos pontos que pareciam mais uma obra de arte. Mas o mesmo problema presente em Watch Dogs Legion assola Assassin’s Creed Valhalla, no console os jogos rodam com uma resolução e qualidade gráfica muito baixa.

A história segue a mesma fórmula dos últimos dois jogos, não inova em nada e possui um excesso de diálogos que são totalmente inúteis para a história do jogo. De quase 30 horas de gameplay, quase 5 foram só de conversas e cutscenes que não acabavam nunca. Saímos da Noruega, onde moramos e vamos direito para Inglaterra onde alguns clãs vikings se instauraram, conhecemos dois integrantes do clã dos assassinos no meio do caminho que nos ensina algumas táticas e nos pede para expulsar a Ordem (equivalente aos Templários nos jogos antigos) de toda a Inglaterra. No meio tempo, vamos nos aliando com outras regiões da Inglaterra para formar uma grande aliança, conhecemos algumas figuras famosas, como os filhos de Ragnar Lothbrok.

Diferente de Odyssey em Valhalla temos apenas um personagem principal, mas podemos escolher seu sexo, sendo feminino ou masculino ou simplesmente deixando o Animus tomar essa decisão para nós. O sexo do personagem não interfere em nenhum status ou habilidade, só muda algumas falas.

A dublagem é um outro problema, alguns personagens têm uma voz ok que se encaixa e realmente fica parecido, mas a maioria dos personagens conta com vozes dubladas estranhas que traz um ar de estranheza ao jogador.

Confira o trailer de Assassin’s Creed Valhalla:

Assassin’s Creed Valhalla está disponível para Playstation 4 e 5, PC, Xbox One e Series e Google Stadia.

Nota Final para Assassin's Creed Valhalla
4.0Muito Bom
Gráficos
Trilha Sonora
Jogabilidade
Enredo
Votação do leitor 0 Votos