Looter shooters são sempre difíceis de serem mantidos, pois são necessárias diversas atualizações regulares para manter a comunidade ativa, nerfando e buffando diversas armas e equipamentos para manter o jogo o mais equilibrado possível, criação de expansões para aumentar a vida útil do jogo e principalmente investimento em servidores de qualidade que aguentem o número de jogadores sem apresentar nenhum problema. Por estes motivos, muitas empresas não investem mais no desenvolvimento desse tipo de jogos (assim como MMOs). Mas a Square Enix foi persistente e bancou Outriders, pouco depois do fracasso crítico e financeiro de Avengers.

O jogo foi anunciando em 2019 e mostrava ser uma ótima promessa da Square Enix. Foi feito pelo estúdio People Can Fly, o mesmo de Bulletstorm e Painkiller e veio com a missão de trazer os holofotes de novo para a Square. Depois de alguns atrasos e problemas no desenvolvimento, Outrirders chegou no dia primeiro de abril e impressionou, positivamente.

Gameplay

A herança de Destiny

Logo de cara é perceptível a grande semelhança de Outriders com Destiny 2, a mistura de looter shooter e MMO de 2017 que depois de alguns problemas se reinventou e ficou gratuito, e hoje ainda é um dos grandes sucessos em todas as plataformas. A maneira que o HUB e até o inventário de Outriders é mostrado ao jogador lembra muito o título da Bungie. Isso não é ruim, pois esse aspecto de Destiny é bem limpo e minimalista (assim como seus sistemas de loot), deixando a vida do jogador mais fácil na hora de organizar seus equipamentos, seja por nome, nível ou raridade.

Mecânicas

O jogo possui três classes que podem ser escolhidas para trilhar um caminho, cada uma delas terá habilidades e estilo de jogo únicos. As classes afetam também as habilidades que virão em seus equipamentos, aumentando a duração, o poder ou a quantidade de uma determinada skill.

Outriders possui uma variedade decente de armas e skills, mas as possibilidades de diferentes builds usando diferentes tipos de equipamento são enormes, já que o jogador pode criar equipamentos com habilidades e efeitos já desbloqueados anteriormente ou simplesmente modificar armas coletadas com a skill desejada.

No geral, a gameplay é simples, bem similar a de Gears of War só que modernizada. Nas missões entramos em um mapa onde temos um caminho linear para percorrer sem muita exploração. Enfrentamos hordas e mais hordas de inimigos até chegarmos ao chefe final, que após ser derrotado dropa algum item que pode ser comum, raro, épico ou lendário. A raridade dos objetos depende do grau de dificuldade escolhido preveamente pelo jogador.

Ao todo temos 15 graus de dificuldade diferentes em Outriders, que variam do mais fácil até o mais difícil. É claro que em dificuldades mais altas os inimigos tem nível maior, mas as recompensas são melhores do que em níveis inferiores. No nível máximo, um inimigo tem o seu nível original aumentado para 15+, ou seja, se ele está no 15 ele vai para o nível 30. É recomendado que o jogador se reúna com outras pessoas para jogar nos níveis mais altos, a dificuldade não escala para acomodar o número de jogadores.

Problemas com os servidores!

O maior problema de longe de Outriders são os servidores online, pois diferente de jogos como Borderlands onde é possível jogar offline e online, Ele só permite que o jogador explore o mundo de Enoch conectado a internet, o que faz ele depender da estabilidade dos servidores da Square Enix, que é péssima. O jogo enfrentou por três dias desde o seu lançamento estes problemas, desde instabilidade que faziam você ser retirado da partida até o fechamento dos servidores devido a inesperada grande quantidade de jogadores.

Segundo as redes sociais de Outriders, os problemas já foram solucionados e devemos esperar menos problemas no futuro. Tudo isso se deu principalmente pelo fato que Outriders chegou no dia do seu lançamento no Xbox Game Pass de forma gratuita para os assinantes do serviço do console da Microsoft, fazendo com que um enorme número de jogadores tenham testado o jogo desde seu primeiro dia de existência. Na Steam ele chegou a bater o pico de 200 mil jogadores simultâneos e bateu recordes que acredito que até a Square Enix não esperava.

História

A história na maioria dos looters shooters servem só para justificar tudo que vamos passar, servem basicamente como pano de fundo para o tiroteio e caçada por melhores equipamentos. E em Outirders não é diferente, a história é simples, sem muita graça e não envolve o jogador, mas se fomos comparar com outros jogos do gênero, ela é boa.

Totalmente em português!

O jogo chegou totalmente localizado para o português-brasileiro, a dublagem é legal, mas muitas vozes não combinam com os respectivos personagens, dando uma sensação de estranheza no tom da história.

Gráficos

Os gráficos são um dos pontos fortes de Outriders, eles são bem feitos e detalhados. A paisagem de Enoch, planeta habitado pelos humanos após a destruição da Terra, é maravilhosa. Existem diversos biomas que mudam para atender cada tipo de missão em diferentes partes da história, desde florestas simples até trincheiras e palácios enormes.

Vale a pena jogar?

Outriders não vale a pena, tanto pelo seu alto preço no lançamento quanto por seus problemas de servidor e crossplay. Eles acabam arruinando o seu principal atrativo, que é jogar com os amigos em qualquer plataforma e a qualquer momento. Não é um jogo ruim, mas assim como um bom vinho, quanto mais tempo esperar, melhor será a experiência.

Confira o trailer abaixo:

Outriders já está disponível para Playstation 4/5 Xbox One/Series e PC

A cópia do jogo foi enviada pela Square Enix. Jogamos a versão de PC com as opções gráficas no máximo.

 

 

 

Outriders é bom, mas possui grandes defeitos - Análise
3.3Bom
Jogabilidade
Gráficos
Enredo
Trilha Sonora
Votação do leitor 0 Votos